Bancada capixaba garante recursos para obras de macrodrenagem no Espírito Santo

0
192
Foto: Adalberto Marques/MDR

A bancada capixaba no Congresso Nacional, em reunião na tarde desta quarta-feira (03) no Ministério do Desenvolvimento Regional, garantiu junto ao ministro Gustavo Canuto recursos de mais de R$ 400 milhões para obras de macrodrenagem nos municípios de Vila Velha, Viana, Cariacica e Colatina.

Os projetos como a Bacia do Rio Aribiri e Jardim de Alah, em Vila Velha, a Bacia do Rio Formate e do Córrego da Ribeira, em Viana, além da Bacia do Córrego São Silvano, em Colatina, que dependem do orçamento geral da União, tiveram os prazos dos recursos prorrogados até o final do próximo ano, assim como os repasses para as obras da Bacia do Córrego Campo Grande, que envolve os municípios de Cariacica e Vila Velha, e as Bacias dos Canais da Costa e Guaranhuns, em Vila Velha.

O coordenador da bancada federal capixaba, deputado Da Vitória (Cidadania-ES), fez uma avaliação positiva da audiência com o ministro Gustavo Canuto. “Conseguimos avanços para o Estado. Uma conquista de todos os deputados e senadores do Espírito Santo. O ministro Gustavo Canuto se comprometeu a renovar o prazo dos sete contratos que existem com vencimento para final de 2020, o que dá tranquilidade para o Governo do Estado licitar os projetos e realizar as obras. O orçamento da união vai garantir os recursos. Para o Espírito é uma grande conquista. Só quem mora nestas regiões sabe o sofrimento que é ter a casa alagada durante os períodos de chuva”, destacou o deputado Da Vitória.

A bancada também solicitou ao ministro que sejam regularizados os pagamentos dos contratos vigentes celebrados com aval do Governo Federal no Programa Minha Casa Minha Vida com empresas da construção civil do Espírito Santo. Segundo dados do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Espírito Santo (Sinduscon-ES), o pagamento das empresas já está há 60 dias atrasado. Somente no Estado são cerca de 3 mil empreendimentos em construção com risco de paralisação das obras e 2.400 postos de trabalho em risco.

Compartilhar

Deixe uma resposta

*