Aulas não presenciais começam segunda-feira (25) na Rede Municipal

0
1575
» O secretário de Educação de Nova Venécia, Arilso Texeira Maria

O secretário de Educação de Nova Venécia, Arilso Texeira Maria, confirmou que as aulas não presenciais começam na próxima segunda-feira, dia 25 de maio, na Rede Municipal de Ensino.

De acordo com o titular da pasta, as atividades poderão ser acessadas por meio do banner “EDUCA NOVA VENECIA”, que estará disponível dentro do site (portal) da Prefeitura de Nova Venécia. Lá, todas as escolas da Rede Municipal estão identificadas. Basta escolher a unidade que estuda, clicar e irá ter acesso as atividades da escola. O site foi desenvolvido pelos técnicos da educação especificamente para este fim.

Segundo Arilso, as atividades têm validade de carga horária para os anos fundamentais.
Ele disse que muitos municípios ofertaram a atividade não presencial antes do parecer do Conselho Nacional de Educação. Porém, o entendimento, enquanto Secretaria Municipal de Educação, foi o de preferiu esperar por entender que as atividades trabalhadas sem um ambiente adequado, formuladas sem a devido cuidado didático, com auxílio de pessoas que não são qualificadas como professor poderia vir a promover bloqueios psicológicos (traumas), e outros problemas decorrentes de uma relação humana não qualificada. “O ensino em situação inadequada poderá ocasionar bloqueio e traumas nas crianças que poderão dificultar a prática educacional no retorno do ensino presencial”, disse.

“Quando as atividades são preparadas considerando as condições limitantes como: não presencial, auxilio de pessoas não habilitadas, com alunos com faixa etária de pouca autonomia, considerando o grau de dificuldades das atividades propostas para a idade e as condições em que estão sendo ofertadas, o risco de promover bloqueios (traumas) é menor, favorecendo, assim, o desenvolvimento intelectual das crianças”, falou Arilso.

O secretário também enfatizou o ensino para educação infantil. “Atividades não presenciais não serão computadas como carga horária obrigatória do ano letivo. Isto porque a legislação educacional não prevê. Portanto, o Conselho Nacional de Educação não aprovou. Por isso, são ofertadas as orientações aos responsáveis de atividades lúdicas que ajudam a desenvolver o intelecto da criança. As crianças da Educação Infantil e do Ensino Fundamental Inicial (1º ao 5º), tem perfil de pouca autonomia para sentar diante de equipamentos tecnológicos e ficar horas estudando. A Rede Municipal de Ensino lida com um público formado de classe trabalhadora, que não tem muita disponibilidade de tempo. Por isso, preferimos tomar um caminho diferente do Estado e de muitos outros municípios. Significa nosso olhar profissional sobre a situação da criança e as condições das famílias em auxiliá-las”.

A insegurança jurídica sobre as ações de ofertar atividades não presencial também preocupava. “Nesse caso, esperamos o parecer e as orientações do Conselho Nacional de Educação para que todo nosso esforço e os esforços das famílias e alunos vir a ter validade. O parecer do Conselho Nacional de Educação foi publicado em 30 de abril, o que permitiu organizarmos com maior segurança as atividades não presenciais para a Rede Municipal”.

Para que tudo isso fosse ofertado, foi realizada uma pesquisa que, segundo Arilso, foi uma das mais completa do Espírito Santo, nesse período de pandemia para compreender as condições em que o trabalho teria que ser realizado e abordou informações sobre a estrutura tecnológica da escola, a qualificação profissional dos professores para trabalhar com a tecnologia no momento e a realidade dos alunos sobre quem tem computador, acesso à internet, de preferencias de acesso a redes sociais. “Essa pesquisa nos revela que fazer vídeo aula não é possível, mas é possível através do blog, site de atividades e outras formas de interações como por WhatsApp. No entanto, considerando a estrutura das nossas escolas, o melhor caminho seria o blog ou site, como fizemos. Menor custo e conta com a estrutura da municipalidade e da rede mundial de internet”.

Aulas para quem não tem acesso à internet

Segundo Arilso, a Secretaria de Educação também pensou em quem não tem acesso à internet. “Tudo que for feito no site será repassado depois quando retornar as atividades presenciais para quem não tem acesso à internet. No retorno das aulas presenciais, serão ofertadas as atividades de forma concomitante às aulas presenciais. Elas serão corrigidas de forma coletiva em sala”.

De acordo com o secretário, o agravo da Pandemia da Covid- 19 impede oferecer atividades impressas. “Coloca em risco a saúde das pessoas por apresentar necessidade de circulação de pessoas e materiais”.

Parceria com a UNDIME

Outra novidade que o secretário confirmou é uma parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME).

Segundo ele, aulas gravadas serão ofertadas na plataforma Sala do Saber os para alunos do 8º e 9º ano. Porém, irão funcionar como atividade complementares a princípio. A parceria foi assinada ontem. Essa plataforma estará disponível nas próximas semanas e comunicaremos as unidades escolares que por sua vez, comunicará os alunos.

Através dessa plataforma, a Secretaria vai receber um relatório mensal dos usuários (alunos) e o professor poderá observar as principais necessidades do estudante como atividades desenvolvidas, erros no desenvolvimento das atividades, dúvidas sobre um conteúdo e indicar aulas que contribua com o aluno.

Compartilhar

Deixe uma resposta

*