33ª Bienal de São Paulo abre os trabalhos no Palácio Anchieta

0
118
Foto: Ademir Ribeiro/Secom

Foi ao lado da esposa, Virgínia Casagrande, que o governador Renato Casagrande puxou a faixa para a abertura da mostra itinerante da 33ª Bienal de São Paulo em Vitória. “Afinidades afetivas” é o título da exposição, a 25ª que o Palácio Anchieta recebe em seu espaço cultural. É a primeira vez que o evento aporta no Espírito Santo desde o início do projeto de itinerância. Participaram da solenidade de abertura, ainda, o secretário de Estado da Cultura, Fabricio Noronha, o curador da exposição, Jacobo Crivelli Visconti, o diretor de Projetos da Isa CTEEP, Weberson Guioto  e o presidente da Fundação Bienal, Olympio da Veiga Pereira.

Em seu discurso, o governador parabenizou a Secretaria de Estado da Cultura (Secult), destacou a importância de receber uma exposição com este recorte: “Cada um de nós tendo essa afinidade, podemos fazer do nosso Estado uma referência na atividade cultural”, assegurou.

Casagrande ainda falou sobre a importância da cultura para a sociedade. “É muito bom a gente poder cumprir nossa tarefa no governo de tornar a cultura presente na vida das pessoas. Nós queremos que seja assim. Nós temos um deserto de ideias e de importância política para a área cultural. Precisamos fazer uma compensação. Precisamos buscar parcerias cada vez mais intensas para compensar a desvalorização da política cultural que também acontece em alguns setores da administração pública brasileira. Estamos fortalecendo e vamos fortalecer a política dos editais, que é uma política fundamental; o Conselho Estadual de Cultura; a relação com as lideranças e entidades da área cultural. Jogar luz na nossa riqueza cultural é muito importante”, disse.

Abrindo os discursos da noite, o secretário Fabricio Noronha destacou o trabalho da equipe de montagem e da equipe de arte-educação que acompanhará os visitantes da exposição até 30 de junho. “A Bienal de São Paulo aqui é oportunidade de através da arte conectar, através da arte transformar. Nosso papel é reconhecer e oportunizar o protagonismo dos saberes e das expressões culturais como um todo, em toda sua multiplicidade, para que o Espírito Santo conheça e reconheça essa importância na sua formação e desenvolvimento. A arte segue adiante com essa itinerância, com afinidades afetivas. A arte segue adiante superando ódios e promovendo encontros de fazeres. De saberes. De estéticas.” pontuou.

O presidente da fundação Bienal celebrou a “união de afinidades entre a Fundação Bienal, o Governo do Estado do Espírito Santo e a Isa CTEEP”. Para Olympio, “a exposição é fruto do encontro entre a nossa missão, no sentido de promover e democratizar o acesso à arte contemporânea, de um Governo que enxerga a cultura como vetor de desenvolvimento social, e de uma empresa, que além de energia, sabe levar educação, cultura e inovação para os locais onde atua. Estar em sintonia com o cenário de seu tempo sempre foi e continua sendo um eixo fundamental da vida da Fundação Bienal. É muito bom dividir esse percurso com grandes parceiros”.

Também estiveram presentes na solenidade a vice-governadora Jaqueline Moraes, o secretário de Governo Tyago Hoffman e o maestro Helder Trefzger, da Orquestra Sinfônica do Espírito Santo. Formada por mulheres, a banda da Fames “Tocata Brass” abriu os trabalhos com arranjos de sopro para grandes clássicos da MPB. A DJ Sista Ilú também participou do coquetel de abertura. As autoridades contaram ainda com um guia especial, o curador da mostra foi quem apresentou os trabalhos para o governador e demais autoridades.

Serviço:
33ª Bienal de São Paulo – Afinidades Afetivas Itinerância Vitória 
Local: Espaço Cultural Palácio Anchieta, Praça João Clínico, s/nº – Cidade Alta – Vitória, ES.
Período: de 28 de março a 30 de junho de 2019
Horário de visitação: de terça a sexta-feira, das 9 às 17 horas / sábados, domingos e feriados, das 9 às 16 horas.
Entrada gratuita.
Classificação indicativa: Livre.
Agendamento de visitação: (27) 3636-1032.

Compartilhar

Deixe uma resposta

*